CAMPESINATO E (RE)TERRITORIALIZAÇÃO NAS MICRORREGIÕES PIAUIENSES DE PICOS, FLORIANO E MÉDIO PARNAÍBA

Daniel César Menêses de Carvalho, Vicente Eudes Lemos Alves

Resumo


O camponês piauiense está marcado a movimentos de resistência, principalmente a partir da chegada do agronegócio em território estadual; observou-se, assim, que essa classe está se reterritorializando como forma de resistir às modificações no meio rural, impostas pelo Estado e pelo o agronegócio. Destarte, quais são as características que identificam o novo camponês piauiense? Esse artigo abordou as novas formas de reprodução do camponês, suas lutas e desenvolvimento territorial e as relações econômico-sociais existentes entre campo e cidade no estado. Como forma de construir a argumentação, o estudo assentou-se em metodologia de caráter exploratório e em procedimentos históricos e comparativos, pois as novas dinâmicas existentes no Piauí englobam variáveis que não são simplesmente quantificáveis. A abordagem etnográfica foi necessária para tratar os dados qualitativos. Diante dos fatos, é necessário realçar a necessidade de fortalecimento das Instituições Públicas de atendimento ao pequeno produtor rural, mais ao tocante ao seu modo de produção; por exemplo, a Emater do Piauí encontra-se carente de recursos logísticos, o que dificulta sua atuação em muitas comunidades.


Palavras-chave


Camponês; Agronegócio; Territorialização; Resistência camponesa; Agricultura Piauiense.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26694/equador.v9i1.9344

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista da Pós-graduação em Geografia, do Centro de Ciências Humanas e Letras da UFPI

 ISSN 2317-3491

A Revista está atualmente indexada às seguintes bases de dados: LATINDEX, DIADORIM, IBICT/SEER, SUMÁRIOS.ORG, PERIÓDICO CAPES, GOOGLE ACADÊMICO, GENAMICS JOURNAL SEEK.

A REVISTA EQUADOR faz uso do DOI (Digital Object Identifier), através da associação com o CrossRef.