A “MENTIRA ORGANIZADA” NO TOTALITARISMO

Rodrigo Ribeiro Alves Neto

Resumo


O artigo explicita e discute a análise político-filosófica arendtiana do papel da propaganda nos movimentos e regimes totalitários, tendo em vista compreender de que modo um dos seus aspectos essenciais foi a centralidade da propagação da mentira como forma de comunicação política, organização da opinião pública e doutrinação ideológica das massas.


Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Odílio. “Veracidade e Propaganda”. In: Filosofia, Política e Ética em Hannah Arendt. Ijuí: Ed. Uniijuí, 2009.

ARENDT, H. As origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

_____. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

_____. “Verdade e Política”. In: Entre o passado e o futuro. Trad. Mauro Almeida. São Paulo: Perspectiva, 2007.

_____. “A mentira na política – Considerações sobre os Documentos do Pentágono”. In: Crises da República. Trad. José Volkmann. São Paulo: Perspectiva, 2004b.

BUCCI, Eugênio. “Pós-fatos, pós-imprensa, pós-política: a democracia e a corrosão da verdade”. In: NOVAES, Adauto (Org.). Mutações: dissonâncias do progresso. São Paulo: Edições SESC, 2019.

KOYRÉ, Alexandre. “A Função Política da Mentira Moderna”. In: Revista Ipseitas, São Carlos, vol. 5, n. 1, p. 119-132, jan-jun, 2019.




DOI: https://doi.org/10.26694/ca.v2i3.12862

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                                            Endereço / Email:


                          Universidade Federal do Piauí, PET-Filosofia,

        Centro de Ciências Humanas e Letras, Campus Min. Petrônio Portela, 

                  CEP 64.049-550,  Teresina - PI, Fone: (86) 3237 1134 

                                    E-mail: nupha.ufpi@gmail.com

 

                                                Indexado em: