Hannah Arendt – um contraponto à tradição: singularidade e responsabilidade como contestação e resistência

Evandro Fonseca Costa

Resumo


Num contexto que torna tão premente e atual a exigência de contraposição ético-política à ascensão de movimentos neofascistas, a defesa da dignidade da política e da refundação do espaço público, sentido maior da obra de Hannah Arendt, conferem às noções arendtianas de singularidade e de responsabilidade os contornos da contestação e da resistência. É desde tal perspectiva interpretativo-compreensiva que neste ensaio se partilha o caminho de investigação que levou a corroboração da tese de que o entrelace de singularidade e de responsabilidade é um modo genuíno de articular uma compreensão das imbricações entre ação, pensamento e juízo em Arendt, cujos rebatimentos ético-políticos permitem entrever, em sua obra, os traços delineadores de uma ética da responsabilidade política pelo mundo.


Palavras-chave


Hannah Arendt; Singularidade; Responsabilidade;

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, V. S. Educação em Hannah Arendt. Entre o mundo deserto e o amor ao mundo. São Paulo: Cortez, 2011.

ANDRADE, C. D. Mãos dadas. In: ______. Antologia poética. 58. ed. Rio de Janeiro: Record, 2006. p. 158.

ARENDT, H. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 13. ed. rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2017.

______. A vida do espírito. Tradução de Cesar Augusto de Almeida; Antônio Abranches; Helena Martins. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

______. Eichmann em Jerusalém. Um relato sobre a banalidade do mal. Tradução de José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

______. Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro W. Barbosa. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2016.

______. Escritos Judaicos. Tradução de Laura Degaspare Monte Mascaro; Luciana Garcia de Oliveira; Thiago Dias da Silva. Barueri, SP: Amarilys, 2016a.

______. O que é política? Tradução de Reinaldo Guarany. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

______. Origens do Totalitarismo. Tradução de Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

______. Responsabilidade e Julgamento. Tradução de Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

ARENDT, H.; JASPERS, K. Correspondence, 1926-1969. Editado por Lotte Kohler and Hans Saner. Traduzido por Robert and Rita Kimber. San Diego, New York, London: Harcourt Brace & Company, 1992.

BÁRCENA, F. Hannah Arendt: uma filosofía de la natalidad. Barcelona: Herder, 2006.

COURTINE-DENAMY, S. O cuidado com o mundo. Diálogo entre Hannah Arendt e alguns de seus contemporâneos. Tradução de Maria Juliana Gambogi Teixeira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

DUARTE, A. Vidas em risco. Crítica do presente em Heidegger, Arendt e Foucault. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

HERZOG, A. Responsabilidade. In: HAYDEN, P. (Ed.). Hannah Arendt: conceitos fundamentais. Tradução de José Maria Gomes de Souza Neto. Petrópolis: Vozes, 2020. p. 244-256.

KAFKA, F. O castelo. Tradução de Modesto Carone. São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

LAFER, C. Hannah Arendt e Norberto Bobbio – uma proposta de aproximação. In: CORREIA, A. (Org.) Hannah Arendt e A condição humana. Salvador: Quarteto, 2006. p. 11-34.

MAGALHÃES, T. C. A natureza do totalitarismo: o que é compreender o totalitarismo? In: AGUIAR, O. A. et al. (Orgs.). Origens do totalitarismo: 50 anos depois. Rio de Janeiro: Relume-Dumará; Fortaleza: Secretaria da Cultura e Desporto, 2001. p. 47-59.

MÜLLER, M. C. O declínio do domínio público e o encantamento com o privado. Pensando – Rev. de Filosofia, Teresina, v. 9, n. 17, p. 36-63, 2018.

STARLING, H. M. M. Nota introdutória. In: ARENDT, H. Ação e a busca da felicidade. Organização e notas de Heloisa Murgel Starling. Tradução de Virgínia Starling. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2018. p. 7-18.

TCHIR, T. Hannah Arendt’s Theory of Political Action. Daimonic Disclosure of the ‘Who’. Cham: Palgrave Macmillan, 2017.




DOI: https://doi.org/10.26694/ca.v2i1.12116

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                                            Endereço / Email:


                          Universidade Federal do Piauí, PET-Filosofia,

        Centro de Ciências Humanas e Letras, Campus Min. Petrônio Portela, 

                  CEP 64.049-550,  Teresina - PI, Fone: (86) 3237 1134 

                                    E-mail: nupha.ufpi@gmail.com

 

                                                Indexado em: