Poder e Comunicação: os caminhos de Hannah Arendt e Jürgen Habermas

Juliano Cordeiro da Costa Oliveira

Resumo


O presente artigo objetiva debater o conceito de poder em Hannah Arendt e Jürgen Habermas. Em ambos, o conceito de poder relaciona-se com o princípio da comunicação. Em Arendt, o poder resulta da capacidade humana de se unir a outros. O poder nunca é propriedade de um indivíduo. Em Arendt, o poder resulta, portanto, da capacidade para agir com os outros. Para Habermas, assim como Arendt, o poder relaciona-se com a capacidade de agir com os outros. Porém, ao contrário de Arendt, Habermas articula o poder comunicativo, de herança republicana, com o poder administrativo, de herança liberal, a partir de seu conceito de democracia deliberativa. Se para Arendt a administração moderna é um obstáculo que impede necessariamente a formação de um espaço público e uma democracia radical, Habermas realiza uma síntese entre o republicanismo e o liberalismo, tentando pensar o poder comunicativo com a dimensão institucional. Enquanto Arendt está inserida na tradição republicana de poder, Habermas realiza uma síntese entre o republicanismo e o liberalismo, pensando o poder no âmbito do conceito de democracia deliberativa.


Palavras-chave


Arendt; Habermas; Poder; Comunicação.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, H. Sobre a Violência. Rio da Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1997.

ARENDT, H. A condição humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

ARENDT, H. Sobre a revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

BENHABIB, S. Models of public space: Hannah Arendt, the Liberal Tradition, and Jürgen Habermas. In: CALHOUN, C. (Ed.). Habermas and the Public Sphere. Massachusetts: Massachusetts Institute of Technology, 1992.

FARIAS, F. A globalização e o estado cosmopolita: as antinomias de Jürgen Habermas. São Paulo: Cortez, 2001.

FORST, R. Justificação e crítica: perspectiva de uma teoria crítica da política. São Paulo: Unesp, 2018.

HABERMAS, J. O Conceito de Poder de Hannah Arendt. In: FREITAG, B; ROUANET, S. Habermas: sociologia. 2.ed. São Paulo: editora ática, 1990.

HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997a.

HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997b.

HABERMAS, J. A inclusão do outro: estudos de teoria política. São Paulo: Loyola, 2002.

HABERMAS, J. O Futuro da Natureza Humana: a caminho de uma eugenia liberal? São Paulo: Martins Fontes, 2004.

HABERMAS, J. Teoria do agir comunicativo 1: racionalidade da ação e racionalidade social. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

LAFER, C. A reconstrução dos direitos humanos: um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

OLIVEIRA, J. Secularismo e Religião na Democracia Deliberativa de Habermas: da pragmática ao déficit ontológico e metafísico. Porto Alegre, Editora Fi; Teresina, EDUFPI, 2018.




DOI: https://doi.org/10.26694/ca.v2i1.10383

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                                            Endereço / Email:


                          Universidade Federal do Piauí, PET-Filosofia,

        Centro de Ciências Humanas e Letras, Campus Min. Petrônio Portela, 

                  CEP 64.049-550,  Teresina - PI, Fone: (86) 3237 1134 

                                    E-mail: nupha.ufpi@gmail.com

 

                                                Indexado em: